Pular para o conteúdo principal

Brutalidade contra a democracia

  • Brutalidade contra a democracia


    Há alguns dias, o povo de Istambul se reuniu pacificamente na praça Taksim, uma das regiões mais movimentadas da cidade, para pedir a manutenção do parque Gezi.
    Pequeno, formado por poucas árvores, ele seria derrubado para abrir espaço para mais um shopping center. O povo de Istambul não concordou e milhares se posicionaram pacificamente na praça, acampando e colocando-se na frente dos tratores que destruiriam tudo.
    O rastro de violência deixado pela polícia contra os manifestantes. Foto: © Volkan Cagali. / Greenpeace
     
    O que se seguiu foi uma cena de violência e brutalidade desmedida. Policiais armados partiram para o confronto, tentando dispersar a multidão com gás lacrimogêneo, balas de borracha e cacetetes. Muitos se feriram, outros foram presos. A manifestação se transformou em uma peça de resistência pelo direito das pessoas de protestarem pacificamente. Simpáticos à causa em outras cidades da Turquia também se posicionaram, e também têm enfrentado a truculência do governo.
    O escritório turco do Greenpeace está localizado a apenas um quilômetro da praça, na rua que é o centro nevrálgico de Taksim. Apoiamos o direito das pessoas de se manifestarem pacificamente, e condenamos a violência aplicada pela polícia e pelo governo. Prestamos socorro aos feridos, de ambos os lados do confronto, e oferecemos abrigo. Acima de tudo, pedimos ao governo turco que pare com a violência e abra espaço para uma discussão democrática.

    Milhares de manifestantes se reúnem na praça Taksim, em Istambul. Foto: © Volkan Cagali/Greenpeace
     
    Estamos solidários à população turca e ao seu direito de protestar pacificamente por mudanças na sociedade. Afinal, as ruas são nossas. A democracia é nossa. E isso ninguém pode nos arrancar. Junte-se a nós nessa missão e assine pelo Desmatamento Zero.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O homem que morreu devido a uma vírgula

O relacionamento entre um cadeirante e um andante.

Os 5 aeroportos mais curiosos e perigosos do mundo